Cão-guia para cegos – Uma forma especial de enxergar o mundo

Cão-guia para cegos

Para quem é deficiente visual, trocar a bengala por um cão-guia representa uma mudança significativa de vida. Mais liberdade de locomoção, mais independência, mais segurança, mais inclusão social, mais amor.

É emocionante ver e ouvir alguns relatos de pessoas cegas, contando como a sua vida se transformou com a chegada do cão-guia. São mais que simples depoimentos: são lições de vida.

O que qualifica um cão para servir como guia é seu temperamento equilibrado. Além da saúde perfeita, comprovada com atestado dado pelo médico veterinário e a carteira de vacinação em dia, o animal tem que ser isento de agressividade.

Segundo o assessor parlamentar Luciano Ambrosio Campos, portador de uma doença hereditária que provocou a perda gradativa de sua visão, uma das maiores vantagens do cão-guia é a possibilidade de desviar de objetos acima do chão. “Com a bengala, você tem domínio de 1,5 metro à frente e não detecta um orelhão ou um galho de árvore. Com o meu cão-guia, estou protegido de todos os riscos, não bato a cabeça nas coisas”, diz ele.

O professor de ioga Elias Ricardo Diel, cego desde os 16 anos, quando sofreu um acidente de carro, conta que a principal vantagem do cachorro em relação à bengala é a integração social. “Winter é a minha maior relações públicas. As pessoas ficam apaixonadas por ela e conversam comigo. Com a bengala, alguém sempre pergunta se você precisa de ajuda, mas a conversa acaba aí. Todos saem da frente e não falam nada”, afirma o professor.

As raças mais comuns para essa finalidade são o Labrador e o Golden Retriever, pois são cães fortes, inteligentes, sociáveis e que se adaptam bem para esse tipo de trabalho.

O número reduzido de cães-guia no Brasil é um reflexo da dificuldade que existe para se conseguir treinar os animais. Para se ter uma ideia, há 1,4 milhões de deficientes visuais no país, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, e cerca de apenas 60 cães-guia treinados, segundo as ONGs.

Em média, o treinamento demora dois anos e custa o equivalente a R$ 25 mil reais. Os deficientes visuais não pagam pelo animal, mas infelizmente precisam enfrentar a fila de espera por tempo indeterminado.

Outro fato lamentável é que ainda acontecem situações constrangedoras e ilegais, como por exemplo instituições bancárias, taxistas, restaurantes ou mesmo determinados transportes públicos, impedirem a entrada do cão-guia nesses estabelecimentos.

Caso aconteça de você, deficiente visual, ser barrado com o seu cão-guia ou ainda precisar usar focinheira no animal, para só assim ter o seu direito garantido, imediatamente acione a polícia e registre boletim de ocorrência no local do ato discriminatório.

No ano de 2005, entrou em vigor a Lei Federal nº 11.126, permitindo ao deficiente visual que tem um cão-guia o direito de ingressar e permanecer com o animal em estabelecimentos públicos e privados de uso coletivo.

Configura ato discriminatório qualquer tentativa que se destine a impedir ou dificultar o ingresso e permanência do deficiente visual acompanhado de seu cão-guia, pois além do direito de “ir e vir”, garantido pela Constituição, a pessoa cega tem a permissão de se locomover com o cão-guia.

De acordo com o Decreto nº 5.904 e a Lei Federal, no caso de impedimento ou permanência do usuário com o cão-guia nos locais definidos ou de condicionar tal acesso à separação da dupla, a sanção será multa que pode chegar ao valor de R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

Mas, é preciso que todos colaboremos para que os direitos dos deficientes sejam respeitados. Não vamos tolerar atitudes preconceituosas. Nem contra os deficientes visuais, nem contra seus companheiros caninos, que encaram o trabalho de “guiar o dono” como verdadeira missão de vida. E é notável como eles se orgulham disso.

“Enxergar pelos olhos de um cachorro” é uma alternativa para a pessoa quem perdeu a visão. Preservemos o respeito e a cidadania acima de tudo!

Agora, também é muito importante saber: é fundamental não distrair o cão-guia que está a trabalho. Jamais ofereça alimento ou carinho para o cachorro que está guiando, sem a permissão do tutor. Isso vai tirar o foco do animal para sua principal função: estar atento aos obstáculos e demais comandos ao qual foi treinado.

Geórgia Maia
Escritora e apaixonada pelos animais.

Geórgia Maia

About Geórgia Maia

Advogada com especialização em Direito Civil e Empresarial, Geórgia também estudou jornalismo. E se entregou às suas duas grandes paixões: a escrita e os cães. Ela é tutora de um lindo cão chamado Bahuan, inspiração para escrever seu primeiro livro: Cuidado: Cão Apaixonante, que já está disponível nas livrarias.

  

Uma Comentário para “Cão-guia para cegos – Uma forma especial de enxergar o mundo”

  1. SANDRA 02/01/201618:33

    Ola, boa tarde!
    Meu nome é Sandra, estou ha tempos procurando um site ou alguem que me ajude encontrar um caminho.
    Quero adotar e adestrar cães para deficientes visuais.
    Estou ciente que trata-se de trabalho temporario, o cão será adestrado e entregue ao deficiente.
    Pode me ajudar?
    Sds, muito obrigada
    Sandra
    Tel 21 99955 4888

    Responder

Deixe seu Comentário

  • Raça Maltês

    por em 07/11/2018 - 4 Comentários

    Maltês é uma pequena raça canina, também chamada bichon maltês, oriunda de Malta, chegada ao Brasil alcançou o ápice de sua popularidade em 2000, quando tornou-se uma das dez raças mais comuns do país. O maltês é um canino de companhia, capaz de adaptar-se facilmente a vida de seus donos, é um cão de alarme […]

Novidades

Conheça mais sobre as raças de Cães
- Raça Pastor Alemão
- Raça Schnauzer
- Raça Maltês

- Listado das raças de cães

Anuncios

Facebook no Amigos